Caminha até mim agora

seus passos quero ouvir

quer nas manhã geladas do inverno

ou naquelas quentes do verão.

 

Vem até mim

observe quanta tristeza.

Aqueles periquitinhos já não são os mesmos

nem os colibris entram por aquela janela.

 

Volta! Quer seja por um dia apenas

deixa por lá seus novos amigos

vem em busca do aconchego

das carícias e da esperança.

 

Se o consolo foi uma ironia imprevista

os choros não ouvidos também o foram

que lição de vida existe na resignação

naquele mundo tão desconhecido.

 

Nas venturas etéreas e eternas não há

pretensões ridículas nem hipocrisias

daqueles que amam a vida

mesmo assim, não temem a morte

 

Volte! Outros pássaros por aqui passaram

outros colibris sugaram as flores

não um abandono premeditado ou fugaz

mas esperanças consoladoras

recompensas existem, acima da nossa compreensão.

 

 

 

Deixe aqui o seu recado para a autora

 

 


 


 

Pelo EnvioWebaguia

Pelo Outlook

 

Fale com a autora:  lyzcorrea@hotmail.com


Adicionar este site aos seus Favoritos
|    Home    |    Menu    |    Voltar    |

|    Livro de Visitas    |



Desde 29.01.2010,
você é o visitante nº


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© A Gralha Azul - 2009 - Todos os Direitos Reservados