Na imensidão do Universo, cortam os ares ventos e pequeninas gotas de cristal.

Marés na vazante aproximam-se das margens e dos manguezais.

Tudo é vida, esplendor.

A natureza transforma com mãos mágicas tudo que nela existe.

Nos canteiros da vida, semeadas flores na primavera estão, cobrindo de belezas a terra úmida.

É o presente que lhe dá a natureza.

Quando nasceu, você Raih, ganhou mil beijos e graças.

Ah! Que lindo aquele carrinho de madeira, o caminhão repleto de bolas de gude, e a mais linda bola de futebol.

Como foi feliz!

Ao crescer, no silêncio das madrugadas, quantos sonhos, desejos, e tal qual o passarinho que procura o ninho, ia em busca do abraço familiar.

Com certeza, queria andar livre como faz o albatroz ao vento, percorrer aos sábados salões de dança e, rodopiar com a moça mais meiga do lugar.

Volta prá casa cansado, mas feliz pelo retorno a cada dia que finda.

Pelas manhãs ao ver os primeiros raios de Sol penetrarem pela cortina do quarto, passa as mãos pelos cabelos desalinhados, aproxima-se da janela entreaberta, e lá, entre os ramos dos arbustos, sons chegam aos ouvidos.

Na cadeira está seu violão companheiro e amigo que capta o vibrar do coração. Na sensibilidade, surgem acordes perfeitos para compor as mais românticas melodias.

Um dia, alguns anjos o chamaram para irradiar alegrias junto a eles lá nos céus!

Veja, agora velam seu sono eterno, afagam suas mãos que navegavam suavemente pelas cordas da esperança, e na solidão do infinito, escute o eco das vozes que o abençoam, apanhe a pontinha da estrela azulada que o reveste.

Sinta o perfume das flores, escute o que as cascatas dizem, entenda o pio da passarada e tal qual a água límpida que corre no regato, brinque com os raios do Sol, com a luz da Lua e com eles ilumine seu novo lar!

Mistérios! Rasgos das silhuetas que o destino emoldurou e aqui como que em brumas envolvidos, nada entendemos.

No âmbar do entardecer, luzes faiscantes, insondáveis, catam cada lágrima derramada na saudade.

Nada emudece, nem desbota a riqueza das lembranças, pois cada flor adormecida que o tempo desfolhou, ressurgirá junto a você, sabendo que as mãos que as levaram, são aquelas que o acariciavam!

 

 

 


 


 

Pelo EnvioWebaguia

Pelo Outlook

 

Fale com a autora:  lyzcorrea@hotmail.com


Adicionar este site aos seus Favoritos
|    Home    |    Menu    |    Voltar    |

|    Livro de Visitas    |



Desde 29.01.2010,
você é o visitante nº


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© A Gralha Azul - 2009 - Todos os Direitos Reservados