Quando na escuridão uma luz bem ao fundo

Aparece como faíscas reluzentes

Não só espalham uma claridade tênue

Como faz brotar nos corações esperanças.

 

Quando aquela criança pedinte das esquinas

Ali colocada por um adulto-parente

A cena entristece os corações

Por estar a imprudência e desamor.

 

Contemplando no alvorecer as aves em seu vôo solitário

em busca do alimento aos filhotes

Penso como a natureza é mestra

há doçura na nova vida, há promessas.

 

Quisera ter abrigo em cada ninho

Ver a divisão do alimento em cada bico

Quisera ter a felicidade de aprender

Que para sobreviver, precisamos muito pouco!

 

Se na inspiração das aves e dos cães

Aprendermos lições de conviver

Não se vê vândalos entre eles

Apenas tochas de carinho.

 

Que se reproduzam todas as manhãs

Que retornem todos os crepúsculos

Que todas as fragrâncias proliferem

E envolvam o Universo

 

Nunca permita Deus que desapareçam da face da Terra

As aves dos céus e peixes do mar

Que todos os cães tenham guarida

Que todas crianças tenham pais e lares harmoniosos

Pois tudo caberia, dentro dos corações!

 

 


 


 

Pelo EnvioWebaguia

Pelo Outlook

 

Fale com a autora:  lyzcorrea@hotmail.com


Adicionar este site aos seus Favoritos
|    Home    |    Menu    |    Voltar    |

|    Livro de Visitas    |



Desde 29.01.2010,
você é o visitante nº


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© A Gralha Azul - 2009 - Todos os Direitos Reservados