Trago na alma a doçura da criança, a rebeldia da juventude, a esquisitice do adulto.

Trago na alma a força de um trovão, do vulcão incandescente, do vento destruidor, mas também a suavidade da brisa, a candura das andorinhas, a suavidade da borboleta em seu vôo, a persistência do andarilho.

Trago na alma a claridade das manhãs iluminadas pelos raios do Sol, o prateado do luar nas noites de verão.

Trago na alma engastados todos os ramos dos florais, pequenos rasgos do manto azul dos céus, o fundo verde do mar.

Trago na alma a beleza dos pinheirais, a suavidade do seu balanço no ar puro, a vivacidade das onças do mato, a agilidade do mico, a calma do bicho preguiça.

Trago na alma, o enunciar que em uma passarela, desfilarão todos os heróis que a cada dia partem para o trabalho e tentam viver em harmonia.

Trago na alma a emoção indescritível ao olhar as crianças correndo pelas calçadas e nas escolas.

Trago na alma sons dos sinos repicando, das bandeiras a tremular quando beijam o ar da Pátria Mãe.

Trago no peito e na alma a canção mais adorada ao escrever!

 

 

 

 

Deixe aqui o seu recado para a autora

 

 


 


 

Pelo EnvioWebaguia

Pelo Outlook

 

Fale com a autora:  lyzcorrea@hotmail.com


Adicionar este site aos seus Favoritos
|    Home    |    Menu    |    Voltar    |

|    Livro de Visitas    |



Desde 29.01.2010,
você é o visitante nº


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© A Gralha Azul - 2009 - Todos os Direitos Reservados