Não somos aves, mas como elas, temos desejos de singrar os ares.

Existe sempre um novo dia, um voltar do sol, um retorno dos amores, alegrias de felicidade.

O homem deveria ser como a águia, que após 40 anos de vida, pára afim de renovar-se, voa até o penhasco mais alto, escolhe um ninho como alojamento, e, começa a bater com o bico na dura rocha, até quebrá-lo.

Dias depois com um novo bico, arranca unhas amolecidas, penas grossas e duras das asas. E espera.

Depois, renovado, com novo bico, unhas fortes e asas poderosas, salta audaz e atrevido pelos ares, em busca de uma presa.

Serão os animais, as aves, como os humanos que teem sentimentos e esperanças?

O homem não possui asas visíveis.

As suas asas são as vitórias, a fé, os sonhos, as venturas, indo sempre além em busca de algo mais.

Poderemos dizer que busca uma renovação não só espiritual mas corporal também.

Mais além, há os desejos de que as flores com seus coloridos e perfumes se unam às melodias, às aragens, pois tudo faz vibrar e palpitar os corações.

Como o cristalizar das estrelas dos céus, esperemos um resplendor de luzes, amores, e muita redenção!

 

 

 

 

Deixe aqui o seu recado para a autora

 


 


 

Pelo EnvioWebaguia

Pelo Outlook

 

Fale com a autora:  lyzcorrea@hotmail.com


Adicionar este site aos seus Favoritos
|    Home    |    Menu    |    Voltar    |

|    Livro de Visitas    |



Desde 29.01.2010,
você é o visitante nº


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© A Gralha Azul - 2009 - Todos os Direitos Reservados