Um céu azul anil, descortina-se à minha frente.

No horizonte distante, o encontro das águas do mar com o infinito, traduz o que a natureza pode oferecer de mais belo e encantador.

Quando a brisa vinda do mar, ou ventos das montanhas beijam nossa pele, pensamos como pode um Criador, colocar no espaço chamado Terra tão pequeno em relação ao Universo e distribuir harmonicamente, tantas maravilhas!

Quando as sombras do entardecer registram que a noite está próxima, emoções nos dizem que veremos brilhar em tal intensidade as estrelas que na abóboda celeste acomodam-se de maneira a equilibrar corpos celestes que rodopiam pelo espaço numa estranha dança que nem sabemos ser ao ritmo da valsa, samba, bolero, quiçá do tango ou rumba.

Nessa profusão de imagens, há sons como das águas das cascatas que serpenteiam por entre vales e encostas, dos galhos das árvores no balouçarem ao sabor dos ventos, dos riachos que tranquilamente procuram caminhos alternativos para seu desaguar em um rio que busca o mar.

Que dizer da grandiosidade dos oceanos e mares, das bacias hidrográficas, de todas as flores e frutos?
 

 

 

Observe os pássaros que freqüentam os jardins e pomares, como abrem as asas num espaço onde há liberdade para darem seus vôos rasantes ou além dos telhados.

Parem e escutem o seu trinar, os gorjeios mais encantadores que se possa ouvir.

Como que um sonho, onde as vontades e os desejos do homem geralmente contrastam com a realidade que severa geralmente diz, que não se pode descartar no dia-a-dia da existência o já vivido e que podemos certamente, procurar conviver com todos os deuses e deusas, cantando baixinho com eles canções que cheguem aos corações.

No abstracionismo de um futuro inimaginável, será que as suposições satisfazem?

Restam teorias, fé, a proclamação que o amanhã mostrará o que fomos, o que hoje somos e o que poderemos ainda ser.

Quantos contrastes, quantas dúvidas, porém as certezas que em todos os setembros as vozes da primavera trarão as belezas e perfumes das flores, o brilho no firmamento de todos os astros e estrelas, e como que num palco iluminado lá estará uma orquestra com anjos, arcanjos e querubins, levando serenamente como os sabiás no seu cantar, uma nostalgia no entardecer e alegrias quando do amanhecer!

 


 

 

 


 


 

Pelo EnvioWebaguia

Pelo Outlook

 

 

Fale com a autora:  lyzcorrea@hotmail.com


Adicionar este site aos seus Favoritos
|    Home    |    Menu    |    Voltar    |

|    Livro de Visitas    |



Desde 29.01.2010,
você é o visitante nº


Página melhor visualizada  em Internet Explorer 4.0 ou Superior: 1024 X 768
Copyright© A Gralha Azul - 2009 - Todos os Direitos Reservados